Oi gente! Essa semana li um texto ótimo escrito pela jornalista Thais Varela. Resumiu bem tudo que está acontecendo com nossa geração, aquela pressão de chegar à perfeição, conquistar um trabalho perfeito, família, bens, e antes dos 30 anos. Espero que gostem assim como eu!

“Em tempos de redes sociais e do compartilhamento incessante de informações um dos outros, fica difícil não comparar a nossa vida com a de outra pessoa. Essa comparação vem junto com a cobrança que a sociedade impõe hoje sobre nós para buscarmos a perfeição, que, nesse caso, é conquistar tudo-agora-já e, claro, antes dos 30 anos.

Viver como se levássemos a vida perfeita traz o inevitável medo do fracasso e esse sentimento é um dos principais responsáveis pela constante ansiedade que vivemos atualmente. Seja na escola, faculdade, trabalho, família ou relacionamento, parece que ele é onipresente na nossa vida. O receio de falhar leva também à frustração e ao sentimento de culpa, que impedem que a gente consiga aproveitar plenamente as escolhas que fazemos e acabam com o prazer das experiências do momento.

Para nós mulheres, essa cobrança social é ainda maior. Somos educadas para sempre agradar, nunca estar de mau humor, não parecer mandona demais ou estar fora do “padrão” de beleza. Essa construção de gênero, que inventa esses conceitos sobre como uma mulher ou um homem devem se comportar, não influencia apenas na nossa vida social, mas também na nossa relação com nós mesmas. A ideia que criamos é que se não podemos demonstrar nossos erros e defeitos para os outros, então isso quer dizer que devemos ser perfeitas a todo o momento.

Essa cobrança constante vem aliada ao fato de que nós sempre precisamos provar nossa competência e nosso merecimento em diversos aspectos da vida social, muito mais do que os homens. Além disso, nós mulheres fomos ensinadas a sermos multitarefas, o que faz com que a gente se preocupe com vários assuntos ao mesmo tempo – ou seja, mais ansiedade e pressão pra conta.

Atualmente, as pessoas buscam mostrar para os outros que estão vivendo “la vida loca” e sem fazer nenhum esforço para isso. Criar e repercutir a ideia de que o sucesso deve ser alcançado sem se esforçar é mais uma ilusão das redes sociais. Não precisamos ser a funcionária perfeita, a esposa perfeita, namorada perfeita, mãe perfeita… Tudo isso sem abrir mão de nada. A perfeição não existe e, para conseguirmos dar conta de tudo o que acontece em nosso dia a dia, precisamos fazer escolhas. E não tem nada de errado nisso.

Existirão momentos que você vai precisar abrir mão de uma festa com os amigos por um compromisso de trabalho ou faltar a uma reunião para chegar no horário em casa e passar um tempo com a família. A ideia é escolher as prioridades do momento e não tentar dar conta de tudo, porque isso é impossível.

Todas as conquistas que nós mulheres adquirimos nos últimos tempos – e pelas que ainda lutamos –, são para nos tornarmos cada vez mais livres de qualquer obrigação ou estereótipo social. Não podemos deixar a pressão que gira em torno do que a sociedade caracteriza como “ser mulher” nos afetar e nos privar de aproveitar essa liberdade sem cobranças.

Por isso, vamos falar sobre nossos problemas! Conversar uma com a outra sobre nossas dificuldades, frustrações e medos. Ao dialogarmos, vamos nos apoiar e mostrar que é normal se frustrar às vezes e que não podemos ter tudo ao mesmo tempo, mas podemos ser muito felizes com o que temos agora. E isso, é muito mais verdadeiro do que uma vida – que só parece – “perfeita” nas fotos do Instagram.”

Beijos,

Sarah

Comments

comments

Written by Sarah